Hubble pode ter descoberto planeta que “não deveria existir”


Texto extraído do sítio Terra

planeta-misterioso-nasa-div

Imagem mostra a distância da falha (“gap”), onde estaria o planeta, de sua estrela, no centro
Foto: Nasa/ESA / Divulgação

Astrônomos descobriram com o uso do telescópio Hubble evidências da formação de um planeta a 12 bilhões de quilômetros de sua estrela, o que desafia uma das teorias mais aceitas, afirma a Nasa – a agência espacial americana. O estudo foi divulgado na publicação especializada The Astrophysical Journal nesta sexta-feira.

Já foram descobertos mais de 900 planetas fora do Sistema Solar, mas este é o primeiro encontrado tão distante de sua estrela. Para se ter ideia, ele orbita a anã vermelha TW Hydrae, que fica a 176 anos-luz da Terra, a cerca do dobro da distância de Plutão em relação ao Sol.

Com o uso do Hubble, os astrônomos encontraram uma falha de 1,9 bilhão de quilômetros de diâmetro no disco protoplanetário de gás e poeira que fica ao redor da estrela e tem cerca de 66 bilhões de quilômetros. É esse buraco que indica que existe um planeta ali e que teria se formado pela aglutinação do material ao seu redor, o que deixou o vazio no disco.

Conforme uma das teorias mais aceitas, um planeta a 12 bilhões de quilômetros de seu sol deveria levar 2 bilhões de anos para se formar. O problema é que TW Hydrae tem apenas 8 milhões de anos – ele dificilmente teria planetas, segundo essa proposição. Complica ainda mais o dado que indica que essa estrela tem apenas 55% da massa do nosso Sol.

“É tão intrigante ver um sistema como esse”, diz John Debes, do Instituto Space Telescope Science, nos Estados Unidos, e líder do estudo. “Esta é a estrela com menor massa que observamos a ter esse tipo de falha.”

Uma teoria alternativa pode explicar o que acontece no sistema. O disco poderia se tornar gravitacionalmente instável e colapsar, o que, segundo este cenário, levaria a uma formação rápida de um planeta – em “apenas” milhares de anos.

“Se conseguirmos realmente confirmar que há um planeta ali, nós poderíamos conectar suas características com as propriedades da falha”, diz Debes. “Isso pode adicionar teorias de formação planetária para (entendermos) como realmente um planeta se forma a uma longa distância (de sua estrela).”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: