Buraco no Sol provoca tempestades há mais de 20 horas


Notícia extraída do sítio Apolo11

Uma tempestade geomagnética de longa duração está atingindo a Terra há pelo menos 20 horas, provocando auroras em diversas regiões nas latitudes elevadas. O motivo da tormenta é o aumento da pressão do vento solar, provocada por um enorme buraco na coroa solar.

 

Buraco Coronal em junho de 2013

Os buracos coronais são regiões da coroa onde a densidade do plasma (gás aquecido a milhares de graus) é menor que nas áreas adjacentes. Nos buracos, as linhas do campo magnético são unipolares e abertas e não conseguem manter o plasma aprisionado, que escapa em direção ao espaço em altíssima velocidade. Isso aumenta a pressão do vento solar.

Quando as áreas onde se localizam os buracos coronais estão voltadas para a Terra, verifica-se um aumento na atividade geomagnética causada pelo impacto mais intenso das partículas do vento solar na ionosfera. Isso faz o índice KP que mede a instabilidade nesta região se elevar, configurando um quadro conhecido como tempestade geomagnética.

Algumas vezes, o buraco coronal ejeta o plasma de forma súbita, criando uma onda de choque dentro do fluxo contínuo do vento solar. Essa onda de choque, quando atinge a Terra, pode fazer a tormenta se prolongar por diversas horas e com intensidade bem acima do normal.

 

Aurora Boreal

Normalmente, o fluxo de o vento solar oscila entre 300 km/s e 400 km/s, mas pode bater facilmente a casa dos 800 km/s quando um buraco coronal está pressionando o fluxo de partículas.

Às 17h15 BRT de sábado, a velocidade de o vento solar era de 607 km/s, mas durante todo o período variou bastante, com picos atingindo a marca de 690 km/s.

Devido à tempestade geomagnética, diversas auroras polares foram observadas, como essa registrada na noite de sexta-feira pelo fotógrafo Brad Goldpaint, próximo ao Crater Lake National Park, no estado americano do Oregon.


Fotos: no topo, foto do observatório solar SDO mostra o gigantesco buraco coronal que provocou a elevação súbita da velocidade do vento solar. Acima, aurora boreal registrada pelo fotógrafo Brad Goldpaint, em 31 de maio de 20113. Créditos: NASA/SDO, Brad Goldpaint, Apolo11.com.

Sobre marcelobarao
Grandes Paixões: Família Física Rock Corinthians

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: