Choque incomum de galáxias produz 2.000 estrelas por ano


Texto extraído do sítio UOL

Cientistas detectaram uma enorme e rara fusão de duas galáxias antigas, que ocorreu quando o Universo tinha 3 bilhões de anos – o Big Bang deu origem ao cosmos há 13,8 bilhões de anos. A descoberta sugere que esses tipos de colisões formaram as grandes galáxias elípticas do Universo, explica a Nasa (Agência Espacial Norte-Americana). Cada uma das galáxias possui uma massa estelar equivalente a de 100 bilhões de sóis, já que somam juntas 400 bilhões de estrelas. Além disso, o choque da dupla, que foi catalogada como HXMM01, despeja cerca de 2.000 estrelas por ano, enquanto a nossa Via Láctea, para efeito de comparação, expele cerca de dois a três estrelas por ano, apenas. O fenômeno foi visto, primeiro, pelo observatório espacial Herschel (à esquerda) e só depois os astrônomos usaram dados de vários telescópios para determinar a massa e o grau de formação estelar que ocorreu na fusão (detalhe à direita) ESA/Nasa/JPL-Caltech/UC Irvine/STScI/Keck/NRAO/SAO

A detecção pelo observatório espacial Herschel de uma fusão incomum entre duas constelações poderia resolver a incógnita de como as grandes galáxias “passivas” se formaram no começo do Universo.

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) explicou nesta quinta-feira (23), em comunicado, que as observações do Herschel permitem estabelecer que essas galáxias elípticas não se criam por uma fusão gravitacional de outras mais pequenas, como se acreditava até há uma década.

A razão é que o observatório espacial capturou o início da fusão entre duas galáxias em espiral, de características similares à Via Láctea, que poderia ter dado lugar a uma grande galáxia elíptica.

Essa fusão foi identificada inicialmente como uma única fonte e batizada como HXMM01. No entanto, um estudo mais detalhado revelou que se tratava de duas galáxias, cada uma com uma massa estelar equivalente a 100 vezes a do Sol e com uma quantidade de gás de mesma ordem.

“Este monstruoso sistema de galáxias em interação é a fábrica de estrelas mais eficiente jamais detectada no Universo primitivo, quando este tinha apenas 3 bilhões de anos”, explicou Hai Fu, o autor do artigo publicado na revista Nature.

O começo do encontro galáctico desencadeou uma “frenética atividade” de formação de estrelas, com um ritmo equivalente a 2.000 por ano, com as propriedades do Sol.

“Esta fusão nos ajudará a aperfeiçoar os modelos atuais que descrevem a formação e evolução das galáxias”, declarou o coautor da publicação, Asantha Cooray.

No entanto, os cientistas especificaram que o sistema terminará esgotando suas reservas de gás, detendo a produção e se convertendo em uma população envelhecida de estrelas “vermelhas, frias e de baixa massa”.

A equipe de Hai calcula que a HXMM01 demorará 200 milhões de anos para transformar todo seu gás em estrelas, enquanto o processo de fusão demorará cerca de 1 bilhão de anos para se completar. 

O resultado final, assinalaram, será uma galáxia elíptica em massa, vermelha e morta, com cerca de 400 bilhões de massas solares. 

Sobre marcelobarao
Grandes Paixões: Família Física Rock Corinthians

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: