Estudo conclui que fim dos dinossauros ‘foi causado por cometa’


A cratera Chicxulub foi criada por um objeto menor do que o que se imaginava anteriormente
A rocha espacial que atingiu a Terra há 65 milhões de anos e é tida como causadora da extinção dos dinossauros foi, provavelmente, um cometa, concluiu um estudo divulgado por cientistas americanos.

Segundo a pesquisa, a cratera Chicxulub, no México – que tem 180 quilômetros de diâmetro – foi criada por um objeto menor do que o que se imaginava anteriormente.

LEIA MAIS

Estudo publicado em fevereiro na Science confirmava que o impacto de um astro foi o responsável pela extinção dos dinossauros, o que ocorreu há 66 milhões de anos

Cientistas descobre no Brasil maior pterossauro já visto no hemisfério Sul
Cometa Panstarrs é visível no céu em março
Choque com cometa pode ter dado origem à vida na Terra,
Muitos cientistas consideram que um asteroide grande e relativamente lento teria sido o responsável.

Os detalhes do estudo, feito por uma equipe do Darthmouth College, universidade de New Hampshire (nordeste dos Estados Unidos), foram divulgados na 44ª Conferência de Ciência Lunar e Planetária, realizada no Texas, no sul do país.

“O objetivo maior do nosso projeto é caracterizar melhor o que causou o impacto que produziu a cratera na península de Yucatán [no México]”, disse Jason Moore, do Dartmouth College, à BBC News.

No entanto, outros pesquisadores ainda são cautelosos a respeito dos resultados da pesquisa.

Química extraterrestre

A colisão da rocha espacial com a Terra criou em todo o planeta uma camada de sedimentos com o elemento químico irídio em concentrações muito mais altas do que o que ocorre naturalmente.

No entanto, a equipe de pesquisadores sugere que os índices de irídio citados atualmente estão incorretos. Usando uma comparação com outro elemento extraterrestre depositado no impacto – o ósmio – eles conseguiram deduzir que a colisão depositou menos resíduos do que o que se acreditava.

Os valores recalculados de irídio sugerem que um corpo celeste menor atingiu a Terra. Na segunda parte do trabalho, os pesquisadores tentaram relacionar o novo valor com as propriedades físicas conhecidas da cratera de Chicxulub.

Para que essa rocha espacial menor tenha produzido uma cratera de 180 quilômetros de largura, ela deve ter viajado relativamente rápido.

A equipe calculou que um cometa de longo período se ajustava à descrição muito melhor do que outros possíveis candidatos.

“Seria preciso um asteroide de cerca de 5 quilômetros de diâmetro para trazer tanto irídio e ósmio. Mas um asteroide desse tamanho não produziria uma cratera de 200 quilômetros de diâmetro”, disse Moore.

“Como conseguimos algo que tenha energia suficiente para gerar uma cratera daquele tamanho, mas tenha muito menos material rochoso? Isso nos leva aos cometas.”

Cometas de longo período são corpos celestes de poeira, rocha e gelo que têm órbitas excêntricas ao redor do Sol. Eles podem levar centenas, milhares e em alguns casos até milhões de anos para completar uma órbita.

O evento que causou a extinção há 65 milhões de anos é associado, hoje em dia, à cratera no México. O acontecimento teria matado cerca de 70% das espécies na Terra em um curto período de tempo, especialmente os dinossauros.

A enorme colisão teria gerado incêndios, terremotos e imensos tsunamis. O gás e a poeira lançados na atmosfera teriam contribuído para a queda das temperaturas globais por muitos anos.

Ampliar
Imagens e notícias sobre o espaço (2013)96 fotos 77 / 96
Fevereiro – Cientistas identificaram ao menos dez asteroides raros que ganharam uma “cauda” de poeira e, possivelmente, gás – fenômeno observado apenas nos cometas – durante meses. Com o telescópio Gran Canarias, na Espanha, os pesquisadores observaram o asteroide P/2012 F5 (ilustração acima) e descobriram, após determinar sua trajetória, que um evento ocorrido em julho de 2011 pode explicar seu rastro: as partículas são resultado de uma colisão com outro asteroide ou de uma ruptura causada pela rápida rotação do objeto Sinc
Perda de massa

Gareth Collins, que pesquisa impactos que produzem crateras na universidade Imperial College London, na região de Londres, no Reino Unido, disse que a pesquisa da equipe do Dartmouth College é “provocadora”.

VOCÊ VIU?

Asteroide 2012 DA 14 passou perto da Terra em 15 de fevereiro

Meteoro explodiu na Rússia e deixou mais de mil feridos

No entanto, ele disse à BBC que não acha “possível determinar precisamente o tamanho do corpo que causou o impacto apenas com a geoquímica”.

“A geoquímica diz – com bastante precisão – somente a massa do material meteorítico que está distribuída globalmente, não a massa total do causador do impacto. Para estimar isso, é preciso saber que fração do corpo celeste estava distribuída na hora do impacto, que não foi ejetada para o espaço nem caiu perto da cratera.”

“Os autores [da pesquisa] sugerem que 75% da massa do causador do impacto estava distribuída globalmente, então chegaram a um corpo relativamente pequeno, mas, na verdade, essa fração pode ser menor do que 20%.”

A teoria deixaria a porta aberta para a hipótese de que um asteroide maior e mais lento, que teria perdido massa antes do impacto com o solo, tenha sido o causador da extinção.

Os pesquisadores americanos aceitam a hipótese, mas citam estudos recentes que sugerem que a perda de massa do corpo celeste no impacto de Chicxulub esteve entre 11% e 25%.

Nos últimos anos, diversos corpos celestes surpreenderam os astrônomos, servindo como lembrança de que nossa vizinhança cósmica continua atribulada.

No dia 15 de fevereiro de 2013, o DA14, um asteroide com volume equivalente ao de uma piscina olímpica, passou de raspão pela Terra a uma distância de somente 27,7 mil quilômetros. Ele só havia sido descoberto no ano anterior.

No mesmo dia, uma rocha espacial de 17 metros explodiu nas montanhas Urais, da Rússia, com uma energia equivalente a cerca de 440 quilotoneladas de TNT. Cerca de mil pessoas ficaram feridas quando o choque do impacto explodiu janelas e sacudiu edifícios.

Cerca de 95% dos objetos próximos da Terra com mais de um quilômetro de diâmetro já foram descobertos. No entanto, somente 10% dos 13 a 20 mil asteroides acima de 140 metros de diâmetro estão sendo monitorados.

Anúncios

Sobre marcelobarao
Grandes Paixões: Família Física Rock Corinthians

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: